Você já se perguntou se colocar sua loja em um Marketplace seria bom ou não para sua marca? Para responder suas duvidas o Canal da Peça Web Services selecionou esse artigo do portal Practice Ecommerce para explicar as vantagens de associar sua marca a um Marketplace.

Dela Traxler

Alguns comerciantes evitam marketplaces, porque acreditam que irão competir com sua própria loja online. Já outros, conseguem ter uma receita extra com as vendas nos marketplaces.

Neste artigo, irei sugerir uma estratégia alternativa aos comerciantes de e-commerce para tirarem proveito dos marketplaces sem arriscar a imagem de suas marcas.

Maior Desafio: A quem pertence o cliente?

O primeiro fato que se deve notar sobre vender em grandes marketplaces como a Amazon, Mercado Livre, Canal da Peça e outros é que eles controlam o relacionamento com o cliente. Os clientes provavelmente não se importam com a sua marca ou com a sua loja online. Eles se importam com os seus produtos, preços, entrega e com a sua classificação. Mas o fato de você ter uma loja de grande sucesso é irrelevante para eles. Eles estão comprando do marketplace. Na verdade, na maioria dos pedidos, os clientes irão colocar diferentes itens de diversas marcas/lojas. A grande parte dos clientes de marketplaces nem sequer percebem isso.

Como resultado, muitos vendedores de e-commerce não possuem uma loja online separada. Eles simplesmente vendem nos marketplaces. Estes vendedores podem ser os seus concorrentes. O modelo de negócio deles se baseia em itens de margem baixa, alta rotatividade e que são populares. Eles usam ferramentas automatizadas para alimentar os produtos nos marketplaces e para controlar os preços. Eles respondem instantaneamente às solicitações dos clientes que vêm através dos marketplaces. Este é o canal de vendas deles e eles são extremamente bons nisso.

Entrar em um marketplace com todos os seus produtos – usando a sua marca já existente – é um grande risco. Primeiro, o seu preço provavelmente será muito maior que o preços de produtos semelhantes do marketplace e você provavelmente não irá vender muitos itens. O preço é altamente dinâmico no marketplace da Amazon, por exemplo. Os preços de produtos populares variam a cada hora. Você está preparado para gerenciar esse tipo de volatilidade com todos os seus produtos?

Segundo, se algo der errado no processamento de um pedido, a sua marca, de repente, estará vulnerável. Terceiro, como o nosso parceiro, Scott Smigler, descreveu no já mencionado “Third-Party Marketplaces: What Merchants Should Know” (em português, “Marketplaces Terceirizados: O Que os Comerciantes Devem Saber”), você corre o risco de duplicar o conteúdo ao exibir as mesmas descrições de produto no seu próprio site e nos marketplaces. Eu sei por experiência própria que você não vai querer fazer isso.

shutterstock_178434113

Estratégia Alternativa: Use uma Marca Diferente Como um Canal Separado

Eis uma abordagem alternativa para usar a sua marca existente com todos os seus produtos.

Marca. Registre as suas lojas nos marketplaces com um nome diferente. Em alguns casos, o ideal é criar uma pessoa jurídica diferente, também. Isto irá permitir que você continue a comercializar os seus produtos como você faz hoje na sua própria loja online. Você não terá que se preocupar em ter o mesmo preço em ambos os lugares e você não terá que se preocupar se estiver em algum tipo de disputa que poderá afetar a sua loja.

Se você acha que os clientes irão visitar a sua loja online após realizar uma compra na Amazon, pense novamente. Na minha experiência, isso acontece raramente. Os clientes compram em marketplaces porque eles são leais a eles, não a você.

 Produtos. Comece com um pequeno conjunto dos seus produtos que (a) possuem margens altas, (b) estão prontamente disponíveis e em estoque, (c) possuem algum tipo de exclusividade, (d) já são best-sellers na sua loja e (e) são adequados para a categoria do marketplace.

Não use o mesmo título e descrições que estão no seu site. Escreva algo original e que seja mais enxuto, com bullet-points (marcadores) e que sejam comparáveis a itens semelhantes que já estão no marketplace que você escolher. Os títulos devem focar no SEO (Seach Engine Optimization). Inclua o mesmo tanto ou mais informações que os seus concorrentes do marketplace. Certifique-se de usar corretamente as categorias e tags do marketplace.

À medida que você começar a ter resultados positivos, aprenda com o que deu certo e adicione outros produtos seguindo esta linha. Você pode acabar conseguindo ter diferentes best-sellers no marketplace em relação à sua loja online. Na verdade, se você gerenciar isto como um canal separado, você provavelmente irá acabar com produtos diferentes ao longo do tempo.

  • Preços. Teste preços diferentes da sua loja online. Você pode desenvolver ideias no marketplace que podem ser aplicadas na sua loja. Esteja pronto para ajustar seus preços nos marketplaces para gerar vendas. Em alguns casos, é possível ter preços de itens exclusivos no marketplace maiores do que na sua loja online.
  • Suporte ao cliente. Seja rígido em conseguir as melhores classificações de clientes. Realize entregas rapidamente, responda as perguntas dentro de uma ou duas horas – mesmo nos finais de semana. E, o mais importante, respeite o fato de que estes não são os seus clientes. Se alguém retornar algum produto, simplesmente o receba sem fazer perguntas.
  • Infraestrutura. Crie um catálogo de produtos que possa ser utilizado também em vários marketplaces, se possível. Você deve tentar usar a mesma estrutura de catálogo e de conteúdo para todos os marketplaces, até mesmo para os anúncios de produtos do Google. Isto irá simplificar a sua preparação de conteúdo, embora cada um ainda irá exigir informações ligeiramente diferentes. Automatize esses catálogos o máximo possível.

Não se preocupe com conteúdo duplicado nos diferentes marketplaces. Isto será problema deles, não seu.

Para gerenciar os pedidos, tente incorporar as vendas de marketplace nos seus processos existentes. Isso pode ser difícil, pois você terá que imprimir etiquetas de envio para cada marketplace e será necessário atualizar os próprios marketplaces a menos que você esteja integrado a eles. Pelo fato de você não estar utilizando a sua própria “marca”, você também poderá ter que criar etiquetas e confirmações de e-mail diferentes.

Gerencie o seu estoque com sabedoria. Se você tem um sistema de controle de estoque, reserve uma parte do seu estoque para os marketplaces de modo que você não corra o risco de ficar sem produtos.

Conclusão

Faça uma análise completa antes de entrar nos marketplaces. Eles com certeza podem te ajudar a diversificar a sua receita, mas os use com sabedoria.

Texto originalmente postado em inglês no: PracticalEcommerce

Quer que sua marca ou varejo seja a primeira na cabeça dos consumidores? Então acompanhe o Canal da Peça Web Services, para saber como estar presente no mundo digital.

Deseja mais informações? Preencha os campos abaixo: